Junín de Los Andes é uma cidade charmosa que guarda um tesouro artístico inestimável, a intrigante Via Christi, um museu de arte ao ar livre, no alto de uma montanha e em meio a uma floresta.

Junín de Los Andes é uma cidade pequena e tranquila que esbanja hospitalidade e contato com a natureza. Aqui a pesca esportiva do salmão e da truta divide espaço com trekking, rafting e passeios até o lago Huechuláfquen para se observar o majestoso Vulcão Lanín.

A população beira aos 20 mil habitantes, entretanto, a ampla oferta hoteleira (com valores mais baixos do que San Martín de los Andes) e a boa gastronomia da região fazem com que cada vez mais os turistas descubram que dá para passar alguns dias bem divertidos por aqui.

Para chegar à Junín de Los Andes você pode optar pelos voos diários que partem de Buenos Aires até Aeroporto Chapelco, o mesmo que atende San Martín de los Andes. A distância do aeroporto até o centro da cidade é de 20 km.

Há ônibus que levam 35 minutos sem paradas entre Junín de Los Andes e San Martín de los Andes. Você também pode pegar ônibus de vários lugares da Argentina ou das cidades chilenas de Villarica, Temuco, Pucón, e Valdivia.

Mas o que recomendamos fazer é alugar um carro no aeroporto de Chapelco e explorar a região sem pressa. San Carlos de Bariloche está a 292 Km e Villa la Angostura a 152 Km. Nós fizemos o trajeto desde a capital Neuquén, a estrada estava em ótimas condições, bem sinalizada e com baixo fluxo de veículos. Foram 380 Km de paisagens incríveis.

O caminho aos poucos vai migrando da vegetação rasteira e seca das estepes, com suas montanhas coloridas e recortadas pelo vento, dando lugar aos montes congelados da Pré Cordilheira dos Andes.

O centro de Junín de Los Andes fica ao redor da Plaza General San Martín, É nesta região que encontram-se a maioria das lojas e restaurantes.

São várias opções de passeios na cidade, que vão desde um mergulho na prainha do Rio Chimehuín e uma visita ao Passeo Artesanal até o tour pelos Santuários Nuestra Señora de las Nieves e Laura Vicuña… Mas nada se compara a um dos mais importantes complexos religiosos da Argentina, a Via Christi. Localizado em um dos pontos mais altos de Junín de Los Andes.

O Parque Via Christi abre todos os dias das 08:00 às 20:30 e as visitas guiadas saem entre às 9:00 e as 17:00.

A entrada do parque para o público estrangeiro em geral custa AR$ 200,00 (cerca de R$ 40,00), os residentes da Argentina e países que fazem fronteira (como o Brasil) pagam a metade, AR$ 100,00 (R$ 20,00), Residentes da província de Neuquén AR$ 80,00 (R$ 16,00), estudantes e idosos pagam AR$ 50,00 (R$ 10,00), os residentes de Junín de Los Andes, do departamento de Huiliches e deficientes físicos com seus acompanhantes não pagam ingresso.

  • Horários, valores e conversão de moeda atualizados em 10/2017 – Confira as alterações diretamente na página do Facebook do parque: facebook.com/via.christi.3

Para compreendermos completamente o projeto temos que saber um pouco da história desta cidade, que é a mais antiga da Província de Neuquén, fundada em 1883.

Junín de Los Andes foi criada pelos espanhóis como um forte sobre a margem direita do Rio Chimehuín com a intenção de estender a soberania da nação. A missão inicial era conquistar a tribo indígena originária da região, os Mapuches, através do Evangelho, só que na verdade os estrangeiros enfrentaram os povos nativos em guerras sangrentas.

Após a chegada dos sacerdotes salesianos Domingo Milanesio e Juan Ruggerone em 1892 a história começou a mudar e diminuíram as lutas com os mapuches. O padre Milanesio estabeleceu-se definitivamente na cidade em 1895 e fundou a casa salesiana com duas escolas para atender crianças nativas, lhes fornecer comida, educação e evangelização.

Com o tempo os Mapuches e os brancos conquistaram a paz e compartilharam a convivência das duas culturas bem como seu território em comum.

A história fascinante desta região sempre encantou o genial arquiteto e escultor Alejandro Santana que desde o início dos anos 2000 vem construindo e ampliando o Parque Via Christi. Aqui a vida de cristo é contada sob um ponto de vista contemporâneo utilizando-se do sincretismo entre o Cristianismo e a cultura Mapuche.

O parque consiste em 2 Km de caminhada onde até o momento (10/2017), existem 23 estações com 12 metros de diâmetro cada uma, denominadas de “solados” e formadas por esculturas que contam a história e os passos de Jesus Cristo, desde o nascimento até sua ressurreição.

Diferente de qualquer outro roteiro religioso católico no mundo, aqui as criações fantásticas de Alejandro Santana fazem referências à história da Argentina e mundial, com críticas sobre a colonização espanhola e as ditaduras militares do século 20. Todas as esculturas tem fortes mensagens políticas e sociais.

Um passeio pela Via Christi só será completo se você for acompanhado por um dos guias do parque. Todos estão profundamente ligados com a mística que existe neste ambiente e explicam até os menores detalhes.

É fácil notar que as obras aqui expostas mostram os rostos e corpos dos povos originários, entretanto, figuras de grande influência no mundo moderno também podem ser admiradas em comunhão com os personagens bíblicos.

Infelizmente estávamos em Junín de Los Andes somente de passagem e tínhamos que chegar em San Martin de Los Andes antes de escurecer pois já tínhamos compromisso marcado.

Tivemos tempo para visitar somente os primeiros 5 solados. Mesmo assim conseguimos identificar personagens como Gandhi, Padre Carlos Mugica, São Francisco de Assis, Martin Luther King, Laura Vicuña, Madre Teresa de Calcutá e até o ex presidente americano George Bush.

A maioria das praças tem na estrutura do piso uma referência ao sol, símbolo muito importante em quase todas as culturas religiosas do mundo. Dentro do círculo está a cruz americana, a mesma que encontramos nas culturas Pré-Incas. Cada lado da cruz simboliza uma das dimensões da vida: Céu superior, céu inferior, terra superior e terra inferior.

Poderíamos ficar por horas aqui escrevendo sobre os detalhes que encontramos nas poucas esculturas que visitamos e de como ficamos tristes por não termos tempo de continuar o trajeto e ver a polêmica estátua onde Jesus é torturado por um colonizador espanhol, ao invés de um soldado romano, ou então chegar até o topo e observar de perto o Cristo Luz, um Jesus Cristo com 36 metros de comprimento e 30 metros de largura, todo em ferro e vidro, com uma capela no seu interior que fica completamente iluminada à noite. Deixamos esta descoberta para próxima visita.

O Parque Via Christi foi o que mais nos causou impacto a nível artístico em toda província de Neuquén. Ficamos completamente deslumbrados com a fusão entre o cristianismo e a cultura Mapuche. A obra do mestre Alejandro Santana nos encheu os olhos de lágrimas e só podemos comparar essas esculturas com criações como o teto da Capela Sistina, o afresco da Última Ceia e até mesmo o Cristo Redentor. Uma visita cultural imperdível para qualquer pessoa com qualquer crença.

Não perca nada desta viagem pela província de Neuquén, atualizamos constantemente novas matérias neste link: comerdormirviajar.com/tag/neuquen-provincia

Você encontrará nossas fotos no instagram.com/comerdormirviajar
Para ver tudo o que postamos durante esta viagem basta buscar pela tag #CDVTripNeuquen

Parque Via Christi
Av. Antártida Argentina 798
Junín de Los Andes
Neuquén – Argentina
+54 0 2941 5470 6245
facebook.com/via.christi.3

Comentários pelo Facebook
728x90

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here